Arquivo da Categoria: Projecto Terracrua

Projecto pós fogo – linhas orientadoras para 3 quintas afectadas pelos incêndios de Junho de 2017

Este documento surge da necessidade de um planeamento para as propriedades afectadas pelos fogos florestais ocorridos no inicio de Junho de 2017 nos concelhos de Castanheira de Pêra, Figueiró dos vinhos, Góis, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela e Sertã.

Este incêndio é até ao momento o maior fogo florestal ocorrido em Portugal, tendo afectado cerca de 53.000 hectares (ICNF 19/06/2017) na sua maioria áreas de produção de eucalipto e pinheiro bravo mas também afectou com elevados prejuízos perda de vidas humanas, habitações, bens materiais e ecológicos.
Agora, com grandes áreas de paisagem ardida (tanto privada como publica) urge minimizar os futuros impactos do incêndio sendo o mais preocupante a erosão dos solos, e pensar em como se pode planear e regenerar esta paisagem numa mais resiliente, produtiva, socialmente justa e ecologicamente bio diversa.
A empresa Terracrua – Paisagem Prometida Uni., Lda, a convite, propõe planeamento estrutural para três propriedades privadas afectadas pelo fogo. Tratam-se de quintas vocacionadas para a auto suficiência alimentar, dedicando-se em escala familiar á horticultura, agrofloresta e pastoricia.
Assim este documento propõe linhas orientadoras para acção em paisagens afectadas por fogos florestais e a sua posterior gestão (fomentando a prevenção e manutenção florestal sem comprometer os ecossistemas) e um planeamento estrutural das áreas propostas (acessos, sebes, agua na paisagem, áreas de produção (florestal agrícola) e rede de infraestruturas).
Este documento quer-se simples, intuitivo e de fácil leitura, servindo como padrão de actuação sobre qualquer propriedade que tenha sofrido um incêndio ou que queira prevenir-se.

Ficheiro *.pdf: Terracrua 2017 Projecto

Link: Blog Projecto Pg01

Link: Blog Projecto Pg02

Link: Blog Projecto Pg03

PG03 – PLANEAMENTO DE EMERGÊNCIA PÓS FOGO E DESIGN ESTRUTURAL NA QUINTA DA FONTE, FIGUEIRÓ DOS VINHOS

É na sequência do nosso trabalho pro bono para a zona afectada pelos grandes incêndios de Julho em Pedrogão Grande, que desenvolvemos este projecto, para uma quinta na zona de Figueiró dos Vinhos.

19274858_10155471681952990_6305080577091279844_nApós o incêndio, sobraram as árvores resistentes ao fogo, castanheiros, carvalhos, oliveiras, entre outras.

Trata-se de uma quinta vocacionada para turismo e camping rural, que foi bastante referenciada ultimamente, pois aqui foi evidente que castanheiros, carvalhos e oliveiras “travam” incêndios florestais, ao contrário dos eucaliptos e pinheiros em monoculturas.

Este projecto foi elaborado em cima de uma planta de localização e não um levantamento topográfico, o que naturalmente tira possibilidade de design a detalhe. Os documentos abaixo, são linhas orientadoras, para ajudar os proprietários a tomar decisões relativamente aos próximos passos a dar na propriedade, antes das chuvas que podem provocar danos a nível de erosão e até deslizamentos de terras.

Quinta da fonte v3-ZoneamentoMapa de zoneamento, plano geral. (*.pdf em baixo)

O foco neste projecto foi realmente o zoneamento das diferentes possibilidades a nível de produção (zonas 2 e 3), floresta de gestão (zona 4), floresta de protecção (zona 5), assentes numa matriz de hidratação da paisagem.

As charcas temporárias em rede, articuladas por uma rede de terraças em contorno, possibiltam o aumento da área de cultivo, e até a criação de um sistema de combate a incendios, se a este modelo adicionarmos algumas cisternas nas zonas altas.

Neste momento, os proprietários preparam-se para intervir, só aguardam as linhas orientadoras que agora partilhamos.

Aqui estão um conjunto de ficheiros, que dão uma visão geral do que se pode e deve fazer, quer ao nível das intervenções pós fogo, quer a nível de criar uma estrutura permanente que mitiga a erosão e prepara o terreno para as plantações.

  1. Mapa de zoneamento e intervenções: Quinta da fonte v3-Zoneamento
  2. Corte/perfil: Quinta da fonte v3-Corte WEB com logo.compressed
  3. Cronograma de gestão dos solos e biomassa: Cronograma de intervenção pós incendios terracrua 2017
  4. Modelo de “gestão de combustivel” para zonas habitadas: Faixa de gestão de combustivel-Corte sem logo

Quinta Vamaro, Loulé 2017

O projecto aqui apresentado foi elaborado para uma propriedade onde se pretende desenvolver uma pequena quinta rural, que se pretende única, equilibrada e em estreita parceria com a natureza e meio envolvente.  

O serviço prestado pela equipa Terracrua é o planeamento estrutural, a matriz de zoneamento, vegetação, acessos, água na paisagem e infraestruturas, que cria as circunstâncias para mitigar erosão e fomentar a resiliência e abundância.

A metodologia utilizada no desenvolvimento do projecto é o design de permacultura, que visa essencialmente a criação de habitats e zonas produtivas humanas, completamente integradas e em consociação com os ecossistemas locais. Neste contexto e seguindo uma série de princípios e estratégias mundialmente reconhecidas e testadas, definimos as melhores técnicas e abordagens, de forma a criar um projecto economicamente viável e ecologicamente saudável.

01 plano geralPlaneamento estrutural, plano geral.

 

Em implementação: (iniciada em Abril 2017)

  • Acesso viário:

Considerando a topografia acidentada, desenhou-se o acesso viário principal, de forma a percorrer toda a propriedade com um declive suave, até um máximo de 6%, e ao longo do qual se localizam os edifícios, habitação, oficina e cozinha comunitária.

vamaro acessoAcesso principal, e charca temporária que armazena as águas da chuva trazidas pela estrada. Nota: Em Setembro será finalizada e colocado uma mistura inerte para estabilização.

  • Rede de infraestruturas:

A rede de infraestruturas contempla a comunicação e deslocações entre os diferentes recursos energéticos e as zonas de habitação e produção (electricidade, água, esgotos e outros). Tal como a rede viária, à qual é associada, foi planeada para maximizar a sua eficiência energética, reduzir gastos e minimizar o seu impacto ecológico. Está a ser implementada no eixo da via, com caixas de acesso cada 50mts.

infra

 

vamaro infraAs tubagens das infraestruturas foram enterradas numa vala com 60cm de profundidade, ao longo do acesso principal.

 

  • Cisterna e fito etars:

vamaro cisternaUma cisterna na parte mais alta da propriedade é um “lugar comum” em planeamento de paisagem, porque simplesmente funciona, a partir daqui, é tudo irrigado por gravidade! Veja mais sobre as nossas cisternas, aqui:

vamro fitoetar2Estação de fito depuração, que já está em funcionamento, no tratamento das águas da habitação principal. Tem ainda uma vala de infiltração em profundidade, que em breve vai irrigar 10 árvores de fruta!

vamaro fitoetar1A estação de fito depuração que vai tratar as águas sujas de duches e da cozinha comunitária. Está em construção e prestes a acabar!

 

A primeira fase da implementação está já a terminar, no Outono, vão ser os trabalhos relativos a vegetação!

PG02 – Planeamento de emergência pós fogo e design estrutural na Corga da Pereira, Pedrógão Grande

É na sequência do nosso trabalho pro bono para a zona afectada pelos grandes incêndios de Julho na zona de Pedrogão Grande, Castanheira de Pêra e Góis, que desenvolvemos este projecto, para uma quinta familiar na zona de Mega Cimeira.

Como no precedente trabalho, esta é uma propriedade difícil devido ao acentuado declive, e que foi praticamente toda queimada. As estradas existentes fomentam a erosão hidrica, e está rodeada de plantações de eucalipto.

Neste momento, os proprietários preparam-se para intervir, só aguardam as linhas orientadoras que agora partilhamos.

Aqui estão um conjunto de ficheiros, que dão uma visão geral do que se pode e deve fazer, quer ao nível das intervenções pós fogo, quer a nível de criar uma estrutura permanente que mitiga a erosão e prepara o terreno para as plantações.

  1. Mapa de zoneamento e intervenções: Green_Family V2-Zoneamento
  2. Corte/perfil: Green_Family V2-Corte WEB com logo
  3. Cronograma de gestão dos solos e biomassa: Cronograma de intervenção pós incendios terracrua 2017
  4. Modelo de “gestão de combustivel” para zonas habitadas: Faixa de gestão de combustivel-Corte sem logo

PG01 – Planeamento de emergência pós fogo e design estrutural em Alvares

É na sequência do nosso trabalho pro bono para a zona afectada pelos grandes incêndios de Julho na zona de Pedrogão Grande, Castanheira de Pêra e Góis, que desenvolvemos este projecto, para amigos que habitam perto de Alvares.

É uma propriedade difícil devido ao acentuado declive, e que foi praticamente toda queimada.

Neste momento, os proprietários preparam-se para intervir, só aguardam as linhas orientadoras que agora partilhamos.

Aqui estão um conjunto de ficheiros, que dão uma visão geral do que se pode e deve fazer, quer ao nível das intervenções pós fogo, quer a nível de criar uma estrutura permanente que mitiga a erosão e prepara o terreno para as plantações.

  1. Mapa de zoneamento e intervenções: Peppy v2-Zoneamento v2
  2. Corte/perfil: Peppy v4-Corte (2) sem logo.compressed
  3. Cronograma de gestão dos solos e biomassa: Cronograma de intervenção pós incendios terracrua 2017
  4. Modelo de “gestão de combustivel” para zonas habitadas: Faixa de gestão de combustivel-Corte sem logo

Cisternas em Ferrocimento

Ao longo dos anos, diversas técnicas e materiais para o armazenamento de águas têm sido experimentados em várias zonas do mundo: tijolo, pedra, cerâmica, ferro, materiais sintéticos e plásticos, etc…

 Entre estes, a tecnologia do ferrocimento destaca-se pelas suas vantagens:

CONSTRUÇÃO
• Simplicidade de implementação e transporte dos materiais;
• Rapidez de construção;
• Baixo custo e uso reduzido de materiais;
• Flexibilidade de construção, adaptável a cada situação;

QUALIDADE E MANUTENÇÃO
• Alta resistência, segurança perante o vazamento, a evaporação e terramotos;
• Longa durabilidade (min 50 anos);
• Baixa manutenção;
• Impermeável e não contaminante, o material mantém a água potável
• Sistema fechado : preservação da qualidade da água por muito tempo;

916708447_6_644x461_construmos-cisternas-gua-10000lts-

Plano técnico de Cisterna de Ferrocimento com tampa: Terracrua Design Portugal – Tanque de Ferrocimento1

Plano técnico de Cisterna de Ferrocimento sem tampa: Terracrua Design Portugal – Tanque de Ferrocimento2

Clique nas imagens da galeria.

Regeneração de pastos e prados

Idealmente, não lavramos, contudo os trabalhos de tractor são muitas vezes úteis e relevantes, enquanto transição ou numa óptica de aceleração dos processos de regeneração ecológica.

Resumidamente, defendemos a ideia de que qualquer trabalho de movimentação de terras, agrícola ou estruturais, devem ser procedidos ou precedidos de sementeira directa ou fresada, de leguminosas ou outras espécies que ajudem a regenerar rapidamente a área intervencionada.

Habitualmente, os agricultores Portugueses tendem a fazer lavras, gradagens e fresagens de manutenção (para controlo de ervas indesejadas e aumento da infiltração da chuva); Basta adicionar a esta acção a sementeira de leguminosas ou prados permanentes para tornar todo o sistema mais ecológico.

pastos-antes pastos-depois

Antes e depois.

Nestas duas fotos podemos ver o terreno antes e depois de uma sementeira de leguminosas, em transição para prado florido e biodiverso.

Fica o apontamento de que este prado sofreu com falta de chuva no inverno e com o frio (pelo tardio que foi a sementeira), mas contudo vingou este março/abril, com a habitual vivacidade primaveril.
Mesmo num mau cenário, estas sementeiras são uma opção a considerar como parte da manutenção de qualquer espaço rural.

As áreas menos utilizadas das nossas propriedades, devem ter um coberto permanente vivo, para proteger o solo do sol, manter humidade e vida nos solos, para aumentar a infiltração da chuva e mitigar erosão,

 

Permacultura Urbana em Loulé

Projecto Há Hortas no Bairro!

Instalação e manutenção de um pequeno quintal urbano em Permacultura, em parceria com Loulé Cidade Educadora, Associação Existir.

Nesta foto, mais uma actividade colectiva, sempre com o horticultor Shojas Silva a facilitar e a ajudar aqueles que querem por as mãos na terra. Plantámos aromáticas perenes e anuais hortícolas, com um grupo de moradores. Foi também o dia em que começámos a distribuir baldes herméticos para os restos da cozinha a alguns moradores, para que os tragam para o compostor!

Um bem haja a todos os que tornaram e tornam este projecto possível!

Ps. Estão quase terminadas as inscrições para o PDC (Curso de Design de Permacultura), com Silvia Floresta, Tiago Manuel B. Silva e Orlando Pereira, que vai decorrer de 15 a 27 de maio, em Loulé, no INUAF. O curso é completamente grátis, mas requer inscrição por email.

 

Santa Bárbara de Nexe, 6,5HA – Projecto de regeneraçao de olival em modo de produção biológico

A propriedade que tem cerca de 6,5ha, está localizada entre 138 e 154 metros acima do nível do mar, ligeiramente a Nordeste de Faro, nas encostas do Barrocal, zona portanto argilo-calcária e que usufrui de características únicas. Num clima mediterrânico, com uma pluviometria na ordem dos 500mm e ventos predominantes de NW e SE, onde as temperaturas médias, a exposição solar, a protecção dos ventos pela serra do barrocal, entre outras possibilitam a cultura de várias espécies subtropicais. Segundo os proprietários, o Olival encontra-se em conversão para modo de produção biológico e é lavrado regularmente, para combater as ervas daninhas e favorecer a infiltração das chuvas.

Havia já cerca de trezentas oliveiras no local, em plena produção, e em 2010 foram plantadas 1800 de variedade maçanilha, que ainda não produziram e que apresentam dificuldades de crescimento. Segundo a Eng. Agrónoma do projecto, o excesso de salinidade da água do furo será a raiz do problema.

Análise:

O terreno de um modo geral, encontra-se exposto aos principais vectores de erosão como chuva, sol e vento. Em alguns locais, rachas de tamanho considerável são observáveis, o que evidencia o nível de deterioração dos solos que se encontra compactado e com muito pouco coberto vegetal: a maioria das árvores, plantadas sem respeitar a topografia ainda não têm dimensão para proteger o solo da exposição solar. Esse “raquitismo vegetal” explica-se pela falta de qualidade e quantidade hídrica, consequência do padrão de plantação ignorando o contorno da paisagem, que vem criar uma rampa de erosão tornando as árvores dependentes da rega (sistema gota a gota existente, proveniente de água do furo, salinizada), a água da chuva não chegando a infiltrar-se, o que mantém as raízes das árvores a um nível muito superficial e em luta permanente pela água, em vez de concentrar a sua energia no seu desenvolvimento.

O Olival tem actualmente prejuízos devidos à mosca da azeitona (Bactrocera oleae) que é de momento combatida com a solução mineral de hidróxido de cal.

Planeamento:

A seguinte estratégia de recuperação ecológica para um contexto de olival em monocultura foi definida após observação e identificação dos desequilíbrios, e visa o restauro do equilíbrio do agrossistema, divide-se em três abordagens gerais:

1. Hidratação da paisagem.

2. Plano de regeneração via adubação verde.

3. Prado permanente e estratégia de luta biológica contra a praga Bactrocera oleae.

1 4 131 capturar fwef th