Como fazer um oásis no deserto; os swales em Tucson, EUA

Se há coisa que todos apreciamos, são as soluções simples, para problemas complexos.

A erosão, quase sempre por reacção a intervenções humanas, é responsável pela perda de milhões de toneladas de solo fértil, por este mundo fora. É preciso ver a paisagem como um todo e compreender as dinâmicas da chuva em locais desflorestados, de forma a se conseguir desenhar intervenções objectivas e muito importante, replicáveis, com o mínimo de recursos e tecnologia.

A primeira vez que me falaram deste “projecto” foi num curso de Permacultura com a Lesley Martin, que nos mostrou a todos o episódio “Global Gardener” do criador da Permacultura, Bill Mollison. Neste video, Ficamos a conhecer o impacto a médio/longo prazo, de intervenções/modulações de terreno, numa óptica regenerativa. Segundo o Bill, se nos anos 30 conseguimos criar isto, imaginem o que fariamos hoje, com a maquinaria e tecnologia, ao serviço da regeneração.

Recentemente, ou seja, 20 anos depois, Geoff Lawton voltou ao local e documentou-nos o mesmo processo, numa abordagem mais moderna, no video “Um oásis no Deserto Americano“.

Trata-se de uma zona desértica, onde nos anos 30, foram “construidos” vários swales (ou valas de infiltração em curva de nivel/contorno),  essencialmente com mão de obra humana e cavalos, pois a maquinaria como as modernas bulldozers ainda não estava tão disponivel como hoje.

Estes swales, ao interceptarem as escorrências superficiais da chuva, acumularam água, sedimentos como argilas finas, nutrientes e muitas, muitas… sementes. O resultado está à vista, sem manutenção nem intervenções humanas pós implementação, hoje a montante destes swales existe floresta, solos profundos e muita fertilidade.

Mais do que tudo, esta experiência demonstra como, ao facilitarmos os processos naturais de regeneração ecológica, o território regenera-se por si. A modulação de terrenos é indispensável, em qualquer cenário onde a erosão hidrica dificulta a reflorestação e o reequilibrio e estabilidade ecológicos.

Deixamos aqui 2 videos, que falam por si..

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo