Arquivo de etiquetas: furo

Água e furos:


Neste momento, avizinham-se tempos difíceis para quem depende da água de furos, ou seja, basicamente toda a gente. Os furos elevam água armazenada nos últimos milhares de anos em cavidades subterrâneas gigantescas, através de um lento processo de infiltração, que neste momento não tem condições para acontecer.

Estamos a esgotar a água subterrânea, e não damos oportunidade de fixar e infiltrar a chuva que cai. A chuva é empurrada o mais rápido possível de volta ao mar, através de drenagens, canais, canalizações e tantos outros sistemas caríssimos, que tentam lidar com os erros do passado. Erros em cima de erros.

Sem árvores, não há solos. Sem solos, não há infiltração, só escorrências superficiais. Sem infiltração e com escorrências superficiais, há inundações no inverno, e os rios secam no verão. Seca e desertificação, aos quais já nos acostumámos a conviver, acompanhados dos habituais incêndios, que insistem em trazer regularmente o nosso território a uma fase inicial da sucessão natural.

Quem procura terra, é melhor que se habitue á ideia de viver com a água que cai e passa pelo seu terreno. Mesmo no sul de Portugal, cai muita água. É preciso é ter área de captura e topografia adequada.

20597359_245989179255692_918692138795917198_nConsulte-nos!

Santa Bárbara de Nexe, 6,5HA – Projecto de regeneraçao de olival em modo de produção biológico

A propriedade que tem cerca de 6,5ha, está localizada entre 138 e 154 metros acima do nível do mar, ligeiramente a Nordeste de Faro, nas encostas do Barrocal, zona portanto argilo-calcária e que usufrui de características únicas. Num clima mediterrânico, com uma pluviometria na ordem dos 500mm e ventos predominantes de NW e SE, onde as temperaturas médias, a exposição solar, a protecção dos ventos pela serra do barrocal, entre outras possibilitam a cultura de várias espécies subtropicais. Segundo os proprietários, o Olival encontra-se em conversão para modo de produção biológico e é lavrado regularmente, para combater as ervas daninhas e favorecer a infiltração das chuvas.

Havia já cerca de trezentas oliveiras no local, em plena produção, e em 2010 foram plantadas 1800 de variedade maçanilha, que ainda não produziram e que apresentam dificuldades de crescimento. Segundo a Eng. Agrónoma do projecto, o excesso de salinidade da água do furo será a raiz do problema.

Análise:

O terreno de um modo geral, encontra-se exposto aos principais vectores de erosão como chuva, sol e vento. Em alguns locais, rachas de tamanho considerável são observáveis, o que evidencia o nível de deterioração dos solos que se encontra compactado e com muito pouco coberto vegetal: a maioria das árvores, plantadas sem respeitar a topografia ainda não têm dimensão para proteger o solo da exposição solar. Esse “raquitismo vegetal” explica-se pela falta de qualidade e quantidade hídrica, consequência do padrão de plantação ignorando o contorno da paisagem, que vem criar uma rampa de erosão tornando as árvores dependentes da rega (sistema gota a gota existente, proveniente de água do furo, salinizada), a água da chuva não chegando a infiltrar-se, o que mantém as raízes das árvores a um nível muito superficial e em luta permanente pela água, em vez de concentrar a sua energia no seu desenvolvimento.

O Olival tem actualmente prejuízos devidos à mosca da azeitona (Bactrocera oleae) que é de momento combatida com a solução mineral de hidróxido de cal.

Planeamento:

A seguinte estratégia de recuperação ecológica para um contexto de olival em monocultura foi definida após observação e identificação dos desequilíbrios, e visa o restauro do equilíbrio do agrossistema, divide-se em três abordagens gerais:

1. Hidratação da paisagem.

2. Plano de regeneração via adubação verde.

3. Prado permanente e estratégia de luta biológica contra a praga Bactrocera oleae.

1 4 131 capturar fwef th