Arquivo de etiquetas: intervenções pós fogo

PG02 – Planeamento de emergência pós fogo e design estrutural na Corga da Pereira, Pedrógão Grande

É na sequência do nosso trabalho pro bono para a zona afectada pelos grandes incêndios de Julho na zona de Pedrogão Grande, Castanheira de Pêra e Góis, que desenvolvemos este projecto, para uma quinta familiar na zona de Mega Cimeira.

Como no precedente trabalho, esta é uma propriedade difícil devido ao acentuado declive, e que foi praticamente toda queimada. As estradas existentes fomentam a erosão hidrica, e está rodeada de plantações de eucalipto.

Neste momento, os proprietários preparam-se para intervir, só aguardam as linhas orientadoras que agora partilhamos.

Aqui estão um conjunto de ficheiros, que dão uma visão geral do que se pode e deve fazer, quer ao nível das intervenções pós fogo, quer a nível de criar uma estrutura permanente que mitiga a erosão e prepara o terreno para as plantações.

  1. Mapa de zoneamento e intervenções: Green_Family V2-Zoneamento
  2. Corte/perfil: Green_Family V2-Corte WEB com logo
  3. Cronograma de gestão dos solos e biomassa: Cronograma de intervenção pós incendios terracrua 2017
  4. Modelo de “gestão de combustivel” para zonas habitadas: Faixa de gestão de combustivel-Corte sem logo

Incêndios em Portugal, Junho 2017

A equipa da Terracrua lamenta profundamente os trágicos acontecimentos nas “florestas” Portuguesas, as perdas humanas e ecológicas; e as repercussões óbvias que frequentemente tomam lugar após os fogos rurais, como perda de biodiversidade, erosão, abandono e êxodo rural.

Todos conhecemos o problema, que já é uma rotina nacional todos os anos, e assistimos chocados pela inércia das nossas entidades na manutenção dos espaços florestais, prevenção e combate aos incêndios. Por outro lado, as produções em monocultura de pinheiro bravo e eucalipto em terrenos de declive acentuado, criam as circunstancias para que os incêndios ganhem proporções épicas que excluem qualquer hipótese de combate pelos populares. A falta de animais de porte médio em regime selvagem, ou gado correctamente gerido nestas serras, fazem também com que a biomassa no chão não seja processada, e impede a floresta de subir e reduzir a força do fogo ao nível dos solos. Os ciclos estão quebrados, os solos não têm capacidade de processar a biomassa, e a seca generalizada fazem com que nada trave as chamas.

As soluções passam por exemplo, pela manutenção dos espaços rurais, e pela criação de modelos exequíveis de comunidades agro-florestais que tirem retorno financeiro da gestão florestal, de modo a fixarmos de novo população no interior, e de forma a mitigarmos tragédias do género da que está neste momento a a acontecer na zona de Pedrógão Grande. Florestas mistas enquadradas na paisagem, valorizadas pela qualidade e não pela quantidade, e a responsabilização daqueles que facturam com estes acontecimentos frequentes, podem reverter este processo, do qual somos todos reféns.

Fica aqui o apelo/desafio: Há que repensar toda a industria relacionada com a produção de pinheiro bravo e eucalipto, há que contemplar fixar pessoas em sistemas de gestão florestal, antes que fiquemos sem ecossistemas saudáveis, para além das habituais plantações de monoculturas.

Um abraço forte e solidário com todas as pessoas que perderam familiares nestes incêndios desde sábado, e a todos os que perderam a sua casa e os seus pertences.

http://fatoonline.com.br/noticia/20167/portugal-diz-que-incendio-em-pedrogao-grande-esta-quase-controlado