Arquivo de etiquetas: regenerativo

Curso de Introdução ao SIG 28-29/10 – 04-05/11

É com muito gosto que apresentamos uma nova proposta formativa, com um curso de introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG).

Sobre o SIG: (excertos tirados aqui, e aqui):
“O conceito de SIG tem-se alterado radicalmente desde a sua origem, devido à evolução tecnológica, quer de hardware, quer de software.
Hoje em dia, os seus limites parecem ser os da imaginação e arte dos programadores e dos utilizadores.

Mas o verdadeiro poder do SIG é a sua capacidade para integrar informação e ajudar à tomada de decisões no quotidiano daqueles cuja ocupação se prende com o território e as relações deste com o Homem;

No desenvolvimento do conceito de SIG, podem-se identificar quatro fases:

  1. Um sistema que permite a visualização e manipulação de dados geográficos.
  2. Uma base de dados geográfica.
  3. Um sistema que permite a análise espacial com vista à tomada de decisão.
  4. Um sistema que promove a literacia geográfica dos cidadãos, utilizando a Internet.”

 

Acerca do curso de introdução:

Datas: 28-29 de Outubro e 4-5 de Novembro
Duração: 24h
Horário: 10h00 – 13h00 e 14h00 – 17h00
Local: Sede da Terracrua, Praça da República, 44, 2ºesq  Loulé
Inscrições: sara.ruth@terracrua.org e 289 416 143

Custo: 220€ (+IVA) pelos 4 dias

Conteúdo programático:
– Conceitos Básicos de Cartografia e de Sistemas de Informação Geográfica;
– Sistemas de projecção e escalas;
– Interface de um SIG;
– Geometria e tipologia de dados espaciais;
– Criação e edição de camadas vectoriais;
– Edição, exploração, funcionalidades e potencialidades das tabelas de atributos;
– Conjugação de camadas Raster;
– Ferramentas de analise espacial;
– Aplicação de SIG em campo, picotagem e recolha de dados;
– Elaboração e edição cartográfica;
– Exportação de mapas.

O formador:
Gonçalo Gil
Licenciado em Geografia e Pós-graduado em Geografia Física e Ordenamento do Território, tem como principais competências:

  • Recolha, organização, carregamento, tratamento e modelação de dados e informação geográfica para/em sistemas de informação geográfica,
  • Elaboração de cartografia, mapeamento, análise de dados e deteção remota,
  • Utilização de material para levantamento e recolha de dados geográficos e topográficos (Topografia) como Drones, GPS, Estação Total, Teodolito, Nível e outros,
  • Utilização de material de Sondagens do tipo Trado manual Edelman, cunha, gouge e sonda pistão,
  • Interpretação paisagística, geológica, geomorfológica, hidrológica, climatológica, entre muitas outras,
  • Compreensão de processos naturais, antrópicos e relação entre estes.

 

 

Os painéis pré-fabricados Ekopanely

Uma solução ecológica extremamente versátil e saudável para a construção, da qual somos representantes em Portugal. 


O QUE SÃO ?

São constituídos maioritariamente por palha, que é compactada por um processo com altas temperaturas e alta pressão, usando zero agentes ligantes. É por fim selada em cartão reciclado para tomar a forma de painéis de diferentes espessuras para a construção.

09o-ekopanely-2

VANTAGENS NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO

  • Universais;
  • Fáceis e rápidos de instalar – funcionam como os painéis tradicionais de gesso cartonado (tipo “pladur”);
  • São compatíveis com auto-construção, mas também para uso por empresas de construção estandartes;
  • Versáteis:
    – Servem para construções novas, renovações, extensões, divisões ou conversões;
    – O sistema pode ser utilizado em diversos modos construtivos: paredes divisórias, de casa de banho, cozinha ou quarto (taxa de isolamento sonoro), paredes auto-portantes,  ou ainda como isolamento do chão ou dos telhados;
  • Baixo custo;
  • Alta qualidade (ecológica, mecânica e a nível de saúde);
  • Alta durabilidade mecânica;

ekopanley montagem

 

POR FIM, O CONFORTO DE UMA CASA SAUDÁVEL:

O que confere aos painéis as suas propriedades de isolamento térmico acima da média, é o seu material: a palha. Esta, devido às suas propriedades intrínsecas, torna qualquer edifício num local extremamente saudável, além de ser 100% renovável:

Os painéis prensados, ao mesmo tempo que acumulam o calor de forma  progressiva, não só protegem a estrutura de madeira, de mudanças drásticas de temperatura, como mantêm também ao mesmo tempo o ambiente interior em níveis constantes de temperatura, dado que são necessárias cerca de 11.8 horas para a temperatura exterior penetrar um edifício construído com Ekopanely’s. Esta característica reduz de forma notória custos de aquecimento no Inverno e de arrefecimento, no Verão.

O mesmo material, pela sua natureza fibrosa, é altamente permeável ao vapor : absorve o excesso de vapor no ar, e quando a taxa de humidade baixa novamente, libertam-na suavemente no ambiente. Este mecanismo tem um impacto muito positivo no microclima interior das casas, especialmente no Inverno, assim como na saúde dos seus habitantes (crianças, pessoas asmáticas, sofrendo de reumatismos, etc…)

 

  • Para quem quer poupar nas despesas energéticas (aquecimento e arrefecimento),
  • Para quem deseja construir saudável, de forma barata e duradoura,
  • Para quem deseja renovar ou melhorar o isolamento de uma casa existente,
  • Para quem quer cuidar do seu lar e dos que nele habitam,
  • E até para quem deseja construir a sua casa de férias, ao mesmo tempo que preserva os seus bens, como a estrutura de madeira do edifício…

Para mais informações técnicas, visite este link, dum folheto em inglês sobre os painéis Ekopanely, ou o site do fabricante.

Pode ainda contactar-nos para encomendas, assim como para descobrir amostras do Produto, via +351 289 416 143 ;  geral@terracrua.org  ; o nosso site ; ou na nossa Sede, em Loulé. 

Prados permanentes?

Prados permanentes

Terrenos ocupados com forrageiras herbáceas, quer semeadas quer espontâneas, por período igual ou superior a cinco anos e que não estejam incluídas no sistema de rotação da exploração. Este tipo de cultura promove a protecção e melhoria do solo, o seu papel no ciclo da água, a fixação biológica de azoto e o sequestro de CO2.

Estes prados devem ser implementados como estratégia (entre outras) de hidratação da paisagem, e com vista ao coberto permanente dos solos. Podem ocupar as terras nas entrelinhas dos pomares ou sistemas florestais e agro florestais, e assim integrar outras actividades como apicultura ou pecuária em áreas até então dominadas por “ervas” indesejadas.

– A melhor forma de nos livrarmos de espécies indesejadas parece realmente ser a substituição por outras espécies, que preencham os estratos ocupados pelas primeiras. A manutenção também baixa drasticamente, ao “domarmos” espaços ocupados por espécies rústicas, e transformá-los em prados de herbáceas e gramineas que oferecem muito menos resistência ao corte manual, por exemplo.

A conversão do “mato” existente, consideravelmente lenhoso e combustível, para um prado de gramíneas anuais, deve ser acompanhado de um plano regenerativo de implementação e gestão, como por exemplo neste cronograma, de um projecto perto de Setúbal:

tabela

Tabela cronograma de gestão dos solos

A sequência correcta, no âmbito de um projecto regenerativo, deve ser:

  • Escolha das datas certas, considerando o calendário lunar, a época de chuvas e a escolha assertiva dos meios mecânicos ou manuais;
  • Sementeira directa, de mistura de leguminosas (vários estratos), 150kg/ha, durante o 1º ano de intervenção;
  • Corte do “mato” existente, e deposição no solo, de forma a cobrir a semente espalhada;
  • Reforço da sementeira com leguminosas;
  • 1º corte, após crescimento geral de cerca de 30cm de altura;
  • Introdução de mistura apropriada de gramíneas e herbáceas variadas e enriquecedoras de solo;
  • Introdução de gado para maneio e  controle da biomassa, de forma a não comprometer o crescimento do prado;

A este coberto verde, assiste os processos de enriquecimento e crescimento de solo, ao mesmo tempo que beneficia o ecossistema com a sombra e retenção da humidade. Assim que se iniciam os cortes, inicia-se também a adição de biomassa aos solos. A matéria orgânica nos solos equivale a retenção de água da chuva e consequentemente a hidratação da paisagem e resiliência face aos incêndios florestais.

Um solo enriquecido, fértil e equilibrado é mais resistente a pragas, sejam elas de  insectos ou fungos.

17800229_1556431991058126_3204952121065241052_n

Regeneração de prado em processo (2 meses após sementeira)

Primeiros trabalhos de limpeza selectiva

Desbaste, podas e trituras.
Na maior parte dos projectos agrícolas actuais, a biomassa resultante de limpezas desbastes e cortes é frequentemente “exportada” pela facilidade e redução de custos. Na verdade, se fossemos a contabilizar o valor da biomassa na construção de solos e retenção de águas , ninguem o faria.
Assim, recomendamos sempre que se triture, e que se devolva a matéria aos solos, compostado, ou por compostar!

 

14925266_1375131455854848_9029006070936284881_n